terça-feira, 27 de novembro de 2012

SOMOS HOMENS LIVROS



VEJAM O QUE EU RECEBI.

GOSTEI.

MUITO INTERESSANTE

REPASSO NA ÍNTEGRA.


"Texto publicado na Revista Especial Guia da Educação – Pernambuco – parte integrante da Revista Veja – edição 2241 – 02 de novembro de 2011)

- Por Wagner Borges -
 
O Universo é uma imensa livraria. A Terra é apenas uma de suas estantes. Somos os livros colocados nela.

Da mesma maneira que as pessoas compram livros apenas pela beleza da capa, sem pesquisarem o índice e conteúdo do mesmo, muitas pessoas avaliam os outros pela aparência externa, pela capa física, sem considerarem a parte interna.

Outras procuram livros com títulos bombásticos, sensacionalistas, histórias de terror ou romances profundos.

Também é assim com as pessoas: há aquelas que buscam sensacionalismos baratos, dramas alheios ou apenas um romance profundo ou rasteiro.

Somos homens-livros lendo uns aos outros. Podemos ficar só na capa ou aprofundarmos nossa leitura até as páginas vivas do coração.

A capa pode ser interessante, mas é no conteúdo que brilha a essência do texto.

O corpo pode ter uma bela plástica, mas é o espírito que dá brilho aos olhos.

Também podemos ler nas páginas experientes da vida muitos textos de sabedoria. Depende do que estamos buscando na estante.

Podemos ver em cada homem-livro um texto-espírito impresso nas linhas do corpo. Deus colocou sua assinatura divina ali, nas páginas do coração, mas só quem lê o interior descobre isso.

Só quem vence a ilusão da capa e mergulha nas páginas da vida íntima de alguém, descobre seu real valor, humano e espiritual.

Que todos nós possamos ser bons leitores conscientes. Que nas páginas de nossos corações, possamos ler uma história de amor profundo.

Que em nossos espíritos possamos ler uma história imortal.

E que, sendo homens-livros, nós possamos ser leitura interessante e criativa nas várias estantes da livraria-universo, pois somos homens-livros, forever!

A capa amassa e as folhas podem rasgar. Mas, ninguém amassa ou rasga as ideias e sentimentos de uma consciência imortal.

O que não foi bem escrito em uma vida poderá ser bem escrito mais à frente, em uma próxima existência, ou além...

Mas, com toda certeza, será publicado pela Editora da Vida, na estante terrestre ou em qualquer outra estante por aí...

P.S.:

Há homens-livros de várias capas e cores, mas Deus é o editor de todos eles.

(Este texto é dedicado aqueles homens-livros que sabem ler nas entrelinhas do brilho dos olhos e na luz de um sorriso a graça da vida em todos os planos.)

– Wagner Borges – nascido no Rio de Janeiro em setembro de 1961 – é pesquisador espiritualista, conferencista, consultor da Revista UFO e colaborador de várias outras revistas como, Sexto Sentido, Espiritismo e Ciência, Revista Cristã de Espiritismo, Caminho Espiritual, e também do Jornal O Legado.

É escritor – autor de onze livros dentro da temática espiritual.

É radialista – apresentador do programa “Viagem Espiritual”, na Rádio Mundial de São Paulo – 95.7 FM.

É colunista de vários sites na Internet:

SomosTodosUm - www.somostodosum.com.br,


IPPB: www.ippb.org.br, dentre outros."

 




sábado, 17 de novembro de 2012

ALEGRETE - BAITA CHÃO


MEU ALEGRETE 

Que saudades do tempo em que lá me criei e vivi. 

Por contingências de trabalho, em 1991, vim transferido para Canoas.

Mas os bons tempos são sempre  lembrados com muito carinho, por isso quando a saudade bate, seguimos o rumo do nosso próprio coração e damos com os costados no baita chão.

Então revemos amigos, passeamos pela cidade, recordando lugares de nossa vida que nos são preciosos:.

- Praça Central,
- Praça Nova,
- Prédio da antiga Agência do Banco do Brasil - onde começamos nossa vida profissional e trabalhamos por longos anos,
- Cesec Alegrete - lembranças e amizades inesquecíveis,
- Prédio da Urcamp - antiga e saudosa Fundação Educacional de Alegrete, onde me formei em Administração de Empresa e trabalhei como tesoureiro durante os 4 anos de faculdade,
-Prédio do antigo Real Hotel, onde durante muitos anos minha mãe teve a Loja A Garota e ali moramos.
- Ginásio Patriarca,
- Instituto de Educação Osvaldo Aranha, onde a grande maioria estudou e foi
alfabetizado.
- Colégio Demétrio Ribeiro, outro ponto de referência que me ocorre.
- Clube Caixeiral, onde muito dançamos, Ana Maria e eu, e onde praticamente tudo começou  e até hoje continuamos juntos nesta caminhada.
- Clube Cassino, onde neste fim de semana (10/11/2012) fomos à  festa dos SESSENTÕES IRRESISTÍVEIS, um grupo de pessoas que fizeram ou irão fazer  60 anos  resolveram festejar em alto estilo. Uma bela festa, onde encontramos velhos amigos e conhecidos. Estava tão gostoso que saímos do Clube as 6,00 horas da manhã.    
- Quiosque da Praça Central - point da nossa juventude. (Antiga sede da UESA)
- Colégio Divino Coração - Colégio das Irmãs - como era conhecido.  
- Clube Sete de Setembro,
- Alegrete Tenis Clube,
- AABB.

Lembramos muito bem de todos estes lugares e por lá sempre passeamos quando vamos.

Ainda bem que existe o Facebook - para matarmos a saudade.

Mas  ao mesmo tempo que nos faz recordar, também nos dá a exata dimensão de como o tempo passou, pois ao ver imagens de encontros realizadas (principalmente no Bar do Zé Airam) e postadas no FACE,e também durante a festa da qual falei acima, ficamos dizendo :

Este é o .....,
Casado com a.....,
Irmão da ......
Filho da .......

Sintomas de que existe outra geração vivendo no Alegrete e de que nossa cabeça também já não é mais a mesma.

Isto é um problema de DNA - Data de Nascimento Adiantada.

Sabemos quem são as pessoas,  mas na maioria das vezes não lembramos os nomes

Amigos SESSENTÕES sejam bem vindos à TERCEIRA IDADE.

No domingo, dando sequência a nossa viagem fomos a Uruguaiana, onde festejamos a vida - minha mãe completou 92 anos. Lúcida e vaidosa como sempre.

Grande abraço.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

BEBUM BEM INFORMADO


AMIGOS

OLHEM SÓ O QUE EU RECEBI.




Eu sei que voces e o fígado de vocês já sabiam, mas, não custa nada  lembrar o óbvio aos sábios...
 
Antigamente, no Brasil, para se ter melado, os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogo.
Não podiam parar de mexer até que uma consistência cremosa surgisse.
Porém um dia, cansados de tanto mexer e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou.
O que fazer agora?
A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor.
No dia seguinte, encontraram o melado azedo fermentado.
Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo.
Resultado: o 'azedo' do melado antigo era álcool que aos poucos foi evaporando e formou no teto do engenho umas goteiras que pingavam constantemente.
Era a cachaça já formada que pingava. Daí o nome 'PINGA'.
Quando a pinga batia nas suas costas marcadas com as chibatadas dos feitores ardia muito, por isso deram o nome de 'ÁGUA-ARDENTE’.
Caindo em seus rostos escorrendo até a boca, os escravos perceberam que, com a tal goteira, ficavam alegres e com vontade de dançar.
E sempre que queriam ficar alegres repetiam o processo.
(História contada no Museu do Homem do Nordeste).
Não basta beber, tem que conhecer!
Bebum bem informado é outro departamento!

ESTE BLOG TAMBÉM É CULTURA

KKKKKKKKKKKKK